No fundo do quintal...
 


Cidade maravilhosa, ainda és para mim...

                 

   "Levantemos esta cidade que ficará por memória do heroísmo e de exemplo, do valor às vindouras gerações - para ser a rainha das províncias e o empório das riquezas do mundo."

 

   Com estas palavras, Estácio de sá fundava em 1º de março de 1565 a Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. O nome veio em homenagem a imagem de São Sebastião entronizada pelo Padre Gonçalo de Oliveira e também em honra ao soberano de Portugal da época, D. Sebastião. Com o passar dos anos as palavras proféticas de Estãcio de Sá foram se concretizando, o Rio de Janeiro que nos primeiros séculos de vida não passava de alguns vilarejos e casebres, tornar-se-ia, de fato, uma das maiores províncias do País recém-independente e ainda seria futuramente a capital federal nos áureos tempos da Nova República.

 

   Nos últimos 50 anos a cidade passou por uma revolução arquitetônica, social e cultural. Hoje o mundo se vê nas sinuosas calçadas de Copacabana ou nas areias de Ipanema ou Leblon. O Cristo Redentor (foto) e o Pão de Açúcar são cartões postais reconhecidos como símbolo do Brasil em qualquer lugar do mundo que se vá, e o carnaval daqui é reconhecido como a festa popular mais famosa do planeta.

 

   A imagem que se tem de nossa Cidade Maravilhosa nos últimos anos é de uma Cidade suja, com violência desmedida, onde corre-se o risco frequente de ser alvejado por uma bala perdida na próxima esquina sempre, o que não é verdade em absoluto. Toda metrópole se vê hoje em dia vítima desse verdadeiro efeito anti-social, não é problema só do Rio. O fato é que, por estar sempre em evidência, o que acontece aqui gera um efeito mais forte na mídia e isso gera uma queda profunda na auto-estima desse povo. Na passagem do seu aniversário, eu como um grande apaixonado que sou por minha cidade, gostaria de ver nos próximos aniversários uma Cidade mais tranquila, mais proxíma daquele charme e beleza que eram as únicas marcas registradas desse lugar tão lindo e dessa gente tão alegre e hospitaleira. Parabéns Rio de Janeiro! Parabéns cariocas!

 



 Escrito por Andre Carvalho às 19h10
[]




Lonas azuis.

No caminho da sorte, a alma perdi     

Dei um beijo na morte e sobrevivi

Mas perdi o meu medo, a viver aprendi.

 

Fiz do mundo o meu palco, do sol minha luz

Prá fazer o meu circo, usei minha cruz,

De um pedaço de céu, fiz as lonas azuis.

 

Aprendi que nem sempre é feliz quem procura

Que a vida mais fácil, também é a mais dura

Que a estrada mais curta é também mais escura

 

Aprendi na descida, mais forças ganhar

Prá chegar na subida e não desanimar,

Sou da vida um artista, ganhei meu lugar.

 

Fiz do mundo o meu palco, do sol minha luz

Prá fazer o meu circo, usei minha cruz

De um pedaço de céu, fiz as lonas azuis...

 

Um belo final de semana para todos e, só para não deixar a data passar em branco, ontem o Quintal fez três meses de vida, muitos amigos, muitos posts e principalmente, muitas alegrias para o seu dono é o que tenho para comemorar na passagem desta data. Muito obrigado a todos que vão e sempre voltam para se sentar um pouco numa cadeira e ajudam a iluminar cada vez mais esse cantinho.



 Escrito por Andre Carvalho às 08h53
[]




Mulher de 30.

 
 

Tome a mesma mulher aos 20 e aos 30 anos:

 

No segundo momento, ela será umas sete ou oito vezes mais interessante, sedutora e irresistível do que no primeiro. Ela perde o frescor juvenil, é verdade, mas também o ar inseguro de quem ainda não sabe direito o que quer da vida, de si mesma, de um homem. Não sustenta mais aquele ar ingênuo, uma característica sexy da mulher de 20, só que é compensado por outros atributos encantadores de que se reveste a mulher de 30. Como se conhece melhor, ela é muito mais autêntica, centrada, certeira no trato consigo mesma e com seu homem. Aos 30, a mulher tem uma relação mais saudável com o próprio corpo, tem orgulho das suas carnes sinuosas, do seu cheiro cíclico. Não briga mais com nada disso. Na verdade, ela quer brigar o menos possível. Está interessada em absorver do mundo o que lhe parecer justo e útil, ignorando o que for feio e baixo-astral. Quer é ser feliz.

 

Se o seu homem não gostar do jeito que ela é, que vá procurar outra. Ela só quer quem a mereça.

 

Aos 30 anos, a mulher sabe se vestir. Domina a arte de valorizar os pontos fortes e disfarçar o que não interessa mostrar. Sabe escolher sapatos, tecidos e decotes,maquiagem e corte de cabelo. Gasta mais porque tem mais dinheiro. Mas,sobretudo, gasta melhor. E tem gestos mais delicados e elegantes.

 

Aos 30, ela carrega um olhar muito mais matador quando interessa matar. E finge indiferença com mais competência quando interessa repelir. Ela não é mais bobinha. Não que fique menos inconstante.

 

Mulher que é mulher, se pudesse, não vestiria duas vezes a mesma roupa nem acordaria dois dias seguidos com o mesmo humor,mas,aos 30,ela já sabe lidar melhor com este aspecto peculiar da condição feminina. E poupa (exceto quando não quer) o seu homem desses altos e baixos hormonais que aos 20 a atingiam e quem mais estiver por perto

irremediavelmente.

 

Aos 20, a mulher tem espinhas. Aos 30, tem pintas, encantadoras trilhas de pintas. Que só sabem mesmo onde terminam uns poucos e sortudos escolhidos. Sim, aos 20 a mulher é escolhida. Aos 30, é ela quem escolhe. E não veste mais calcinhas que não lhe favorecem. Só usa lingeries com altíssimo poder de fogo. Também aprende a se perfumar na dose certa, com a fragrância exata. A mulher aos 30, mais do que aos 20, cheira bem, dá gosto de olhar, captura os sentidos, provoca fome.

 

Aos 30, ela é mais natural, sábia e serena. Menos ansiosa, menos estabanada. Até seus dentes parecem mais claros. Seus lábios, mais reluzentes. Sua saliva, mais potável e o brilho da pele não é o da oleosidade dos 20 anos, mas pura luminosidade.

 

Aos 20, ela rói unhas. Aos 30, constrói para si mãos plásticas e perfeitas e ainda desenvolve um toque ao mesmo tempo firme e suave. Ocorre algo parecido com os pés, que atingem uma exatidão estética insuperável. Acontece também alguma coisa com os cílios, o desenho das sobrancelhas, o jeito de olhar. Fica tudo mais glamuroso, mais sexualmente arguto. Aos 30, quando ousa no que quer que seja, a mulher costuma acertar em cheio.

 

No jogo com os homens, já aprendeu a atuar no contra-ataque. Quando dá o bote, é para liquidar a fatura. Ela sabe dominar seu parceiro sem que ele se sinta dominado. Mostra sua força na hora certa e de modo sutil. Não para exibir poder, mas para resolver tudo a seu favor antes de chegar o ponto de precisar exibi-lo. Consegue o que pretende sem confrontos inúteis.

 

Sabiamente, goza das prerrogativas da condição feminina sem engolir sapos supostamente decorrentes do fato de ser mulher.



 Escrito por Andre Carvalho às 19h04
[]




A Expectativa do Chefe (Pura Verdade).

   Um açougueiro estava tomando conta de sua loja e ficou surpreso quando um  cachorro entrou, ele espantou o cachorro mas, logo em seguida o cachorro voltou. Novamente ele tentou espantar o cachorro quando viu que ele trazia um bilhete na boca. Ele pegou o bilhete e leu: Pode me mandar 12 salsichas e uma perna de carneiro, por favor? Ele olhou e viu que dentro da boca do cachorro tinha também uma nota de 50 Reais,então ele pegou o dinheiro, e pôs as salsichas e a perna de carneiro na boca do cachorro.

   O açougueiro ficou impressionado e como já era mesmo hora de fechar o açougue, ele decidiu fechar e seguir o cachorro. Ele começou a descer a rua quando chegou ao cruzamento. O cachorro depositou a bolsa no chão, pulou e apertou o botão para fechar o sinal,então esperou pacientemente com o saco na boca que o sinal fechasse e ele pudesse atravessar. O cachorro atravessou e caminhou até uma parada de ônibus, onde olhou para a tabela de horário e então sentou no banco para esperar o ônibus,quando um ônibus chegou, o cachorro foi até a frente para conferir o número e voltou para o seu lugar. Outro ônibus chegou e ele tornou a olhar, viu que aquele era o ônibus certo e entrou. O açougueiro boquiaberto continuou seguindo o cão. De repente o cão se levantou e ficou em pé nas duas patas traseiras e apertou o botão para saltar, tudo isso com as compras ainda na boca.

   O cão caminhou pela rua até parar em frente a uma casa. Pôs as compras na calçada, voltou um pouco, correu e se atirou contra a porta. Tornou a fazer isso. Ninguém respondeu na casa. Então o cachorro pulou um muro baixo, foi até a janela e começou a bater com a pata no vidro várias vezes. Caminhou de volta para a porta quando um cara enorme a abriu a porta e começou a espancar o cachorro. O açougueiro correu até o homem e o impediu dizendo:

   "Por Deus do céu homem, o que você está fazendo? O seu cachorro é um gênio!"

   O homem respondeu: "Um gênio? Esta já é a segunda vez esta semana que este cachorro estúpido esquece a chave da porta!"

 

   Moral da historia :

 

   Você pode continuar excedendo as expectativas, mas seu chefe nunca estará satisfeito.....



 Escrito por O feliz dono desse quintal às 18h35
[]




Gostaram??

Não é para me gabar, mas quem tem amigos como eu não pode reclamar! Olha que beleza que ficou meu quintalzinho gente? Presente da feríssima em templates, minha amiga Isabeau, que também assina o visual do Musicopéia. Que artista você é minha amiga, meus parabéns o obrigadíssimo!!

 

 Que situação...

 

 Para não fugir à regra do Quintal, a lei aqui é dar risadas na sexta-feira, por isso eu separei essa "gracinha" aqui para hoje. Eu dei boas risadas!

 

 Leiam , o texto é grande, porém vale a pena.

 

 Amiga Ana,

 Conforme minha promessa, estou enviando um e-mail contando as novidades da minha primeira semana depois de ser transferida pela firma para o Rio de Janeiro. Terminei hoje de arrumar as coisas no meu novo apartamento.Ficou uma gracinha, mas estou exausta. São dez da noite e já estou pregada.

 

Segunda-Feira: Cheguei na firma e já adorei. Entrei no elevador quase no mesmo instante que o homem mais lindo desse planeta. Ele é loiro, tem olhos verdes e o corpo musculoso parece querer arrebentar o terno. Lindooooo! Estou apaixonada. Estou maravilhada com essa cidade. Cheguei em casa e comi comida enlatada. Amanhã vou a um mercado comprar alguma coisa.

 

Terça-Feira: Amiga! Precisava contar. Sabe aquele homem de quem falei? Ele olhou para mim e sorriu quando entramos no elevador. Fiquei sem ação e baixei a cabeça. Como sou burra! Passei o dia no trabalho pensando que preciso fazer um regime. Me olhei no espelho hoje de manhã e estou com uma barriguinha indiscreta. Fui no mercado e só comprei coisinhas leves:biscoitos, legumes e chás. Resolvido! Estou de dieta.

 

Quarta-Feira: Acordei com dor-de-cabeça. Acho que foi a folha de alface ou o biscoito do jantar. Preciso manter-me firme na dieta. Quero emagrecer dois quilos até o fim-de-semana. Ah! O nome dele é Marcelo.

 

Quinta-Feira: O Marcelo me cumprimentou ao entrar no elevador. Seu sorriso iluminou tudo! Ele me perguntou se eu era a arquiteta que viera transferida de Brasília e eu só fiz: "Un-hum"...Será que eu deveria ter falado um pouco mais? Ai, amiga! Estou tão apaixonada! Estou resolvida!Amanhã vou perguntar se ele não gostaria  de me mostrar o Rio de Janeiro no final de semana.Quanto ao resto, bem...ando com muita enxaqueca. Acho que vou quebrar meu regime hoje. Estou fazendo uma sopa de legumes. Espero que não me engorde demais.

 

Deixem para comentar se quiserem no final da estória, no próximo post ...



 Escrito por O feliz dono desse quintal às 16h56
[]




Agora vem o pior...

 

Sexta-Feira: Amiga! Estou arruinada! Ontem à noite não resisti e me empanturrei. Coloquei bastante batata-doce na sopa, além de couve, repolho e beterraba. Menina, saí de casa que parecia um caminhão de lixo. Como eu peidava! (nossa! Você não imagina a minha vergonha de contar isto, mas se eu não desabafar, vou me jogar pela janela!). No metrô, durante o trajeto para o trabalho, bastava um solavanco para eu soltar um futum que nem eu mesma suportava. Teve um momento em que alguém dentro do trem gritou:

 

- "Aí! Peidar até pode, mas jogar merda em pó dentro do vagão é muita sacanagem!"

 

Uma senhora gorda foi responsabilizada. Todo mundo olhava para ela, tadinha. Ela ficou vermelha, ficou amarela, e eu aproveitava cada mudança de cor para soltar outro. O meu maior medo era prender e sair um barulhento. Eu estava morta de vergonha. Desci na estação e parei atrás de uma moça com um bebê no colo, enquanto aguardava minha vez de sair pela roleta. Aproveitei e soltei mais um. O senhor que estava na frente da mulher com o bebê virou-se para ela e disse: - "Dona! É melhor a senhora jogar esse bebê fora porque ele está estragado!". Na entrada do prédio onde trabalho tem uma senhora que vende bolinhos,café,queijo, essas coisas de camelô. Pois eu ia passando e um freguês começou a cheirar um pastel, justo na hora em que o futum se espalhou. O sujeito jogou o pastel no lixo e reclamou:

 

- "Pó, dona Maria! Esse pastel tá bichado!".

 

Entrei no prédio resolvida a subir os dezesseis degraus pela escada. Meu azar foi que o Marcelo ficou segurando a porta, esperando que eu entrasse. Como  não me decidia, ele me puxou pelo braço e apertou o botão do meu andar. Já no terceiro andar ficamos sozinhos. Cheguei a me sentir aliviada, pois assim a viagem terminaria mais rápido. Pensei rápido demais. O elevador deu um solavanco e as luzes se apagaram. Quase instantaneamente a iluminação de emergência acendeu. Marcelo sorriu (ai, aquele sorriso...) e disse que era a bruxa da sexta-feira. Era assim mesmo, logo a luz voltaria, não precisava se preocupar. Mal sabia ele que eu estava mesmo preocupada. Amiga, juro que tentei prender. Mas antes que saísse com estrondo, deixei escapar. Abaixei e fiquei respirando rápido, tentando aspirar o máximo possível, como se estivesse me sentindo mal, com falta de ar. Já se imaginou numa situação dessas? Peidar e ficar tentando aspirar o peido para que o homem mais lindo do mundo não perceba que você peidou? Ele ficou muito preocupado comigo e, se percebeu o mau cheiro, não o demonstrou. Quando achei que a catinga havia passado, voltei a respirar normal. Disse para ele que eu era claustrófoba. Mal ele me ajudou a levantar, eu não consegui prender o segundo, que saiu ainda pior que o anterior. O coitado dessa vez ficou meio azulado, mas ainda não disse nada. Abaixei novamente e fiquei respirando rápido de novo, como uma mulher em estado de parto. Dessa vez Marcelo ficou afastado, no canto mais distante de mim no elevador. Na ânsia de disfarçar, fiquei olhando para a sola dos meus sapatos, como se estivesse buscando a origem daquele fedor horroroso. Ele ficou lá, no canto, impávido. Nem bem o cheiro se esvaiu e veio outro. Ele se desesperou e começou a apertar a campainha de emergência. Coitado! Ele esmurrou a porta, gritou, esperneou, e eu lá, na respiração cachorrinho. Quando a catinga dissipou, ele se acalmou. As lágrimas começaram a escorrer pelos meus olhos. Ele me viu chorando, enxugou meus olhos e disse:

 

- "Meus olhos também estão ardendo...". Eu juro que pensei que ele fosse dizer algo bonito. Aquilo me magoou profundamente. Pensei: - "Ah, é, FDP? Então acabou a respiração cachorrinho..." Depois disso, no primeiro ele cobriu o rosto com o paletó. No segundo, enrolou a cabeça. No terceiro, prendeu a respiração, no quarto, ele ficou roxo. No quinto, me sacudiu pelos braços e berrou:

 

- "Mulher! Pára de se cagar!".

 

Depois disso ele só chorava. Chorou como um bebê até sermos resgatados, quatro horas depois. Entrei no escritório e pedi minha transferência para outro lugar, de preferência outro País.

Apague este e-mail depois de ler, tá?...Sua amiga, Ana.



 Escrito por O feliz dono desse quintal às 16h55
[]




Solzinho

Você deve estar se perguntando, “porque ouço música no meu quintal?”

Eu comprei um radinho de pilha pra ouvirmos junto com as pessoas que visitam seu quintal, algumas músicas de vez em quando, ta bom que uma vez ou outra deva faltar pilha nesse rádio, mas se faltar eu canto, mas só pra você ta bom?

Esse texto foi escrito do começo ao fim ao som desta canção que ouvem ao fundo, a qualidade do áudio não é lá essas coisas, mas se você encostar seu coração mais pertinho do computador, ouvirá alto e claro como uma sinfonia, pois o amor que meu coração irradia em cada letra deste texto bobo apaixonado, em cada nota dessa música maravilhosa, num mix de instrumentos incríveis e com uma batidinha que faz a alma estremecer, justifica qualquer falta que possa haver.

Tudo isso pra pessoa mais incrível que Deus me deu oportunidade de conhecer na vida, o Andre é extremamente gentil, é o ser mais atencioso, sincero, romântico, amigo e preocupado com seu semelhante, que eu conheci em toda minha vida.

Merece cada por de sol, cada estrela do universo e cada gotinha da água do mar em coisas boas, pessoas boas e em felicidade.

Deixa o romantismo exacerbado um pouquinho só pra nós dois, em off ta bom?

Por enquanto peço que ouçam essa canção com o coração e desejem a cada segundo dela tudo de bom que a vida lhes puder oferecer, porque é isso que desejo neste momento pra todos vocês e pra você meu solzinho, que foi plantado nesse mundo pra enriquecer a vida de pessoas como eu. Amo você!

 

Little Steven – The Time of Your Life

 

This is the time of your life

What you gonna do with it? - Don't fool with it

This is the time of your life

You better face it, don't waste it

 

Don't think about the future, don't think about the past

There's just this moment, better make it last

You better get it right 'cause

This is the time of your life

 

The Madonna's on the high spire, she's shining gold in the sun

I'm looking in the mirror, and it feels like staring down the barrel of a gun

Don't want to confuse you and I don't want to let you down

I'm a little confused myself 'cause we're both strangers now

Can't we start all over again?

 

I'm looking down on the rooftops, the changes are comin' too fast

Don't have no answers, I don't even know what questions to ask

Better off saying nothing than telling you lies

Try and ride out the fire and kiss goodnight

I'm lost if I don't see myself in your eyes

 

This is the time of your life



 Escrito por Branquinha às 06h06
[]




Tutto buona gente!

Sou um apaixonado por músicas de qualquer estilo (novidade isso né, nunca falei nada parecido...), mas ainda que a maioria das músicas internacionais que gosto são interpretadas na língua inglesa, guardo um especial sentimento pelas músicas italianas. A música é cantada e interpretada de maneira bem singular, diferenciando totalmente de um país para outro, claro, isso se dá devido as diferenças culturais e de comportamento de um povo para outro, mas a música D'Italia é em quase sua totalidade apaixonante.

   Geralmente você sente o interprete colocar a alma na voz quando canta, isso fica claríssimo nas músicas românticas, o estilo musical que mais amo. A letra abaixo é sem dúvida de uma das músicas italianas mais conhecidas aqui e em todo o mundo.

   "Champagne" foi a música que me abriu as portas para a cultura italiana. Eu conhecia pouco e não tinha muito interesse na cultura desse país, até que fui apresentado a esta música por meus pais e foi amor à primeira vista, ou seria ao primeiro ouvido, sei lá. O fato é que, depois desta vieram muitas outras que hoje fazem parte de minha coleção.

 

Champagne, per brindare a un incontro

con te che già eri di un altro

ricordi c'era stato un invito

stasera si va tutti a casa mia.

Così cominciava la festa

e già ti girava la testa

per me non contavano gli altri

seguivo con lo sguardo solo te.

Se vuoi ti accompagno se vuoi

la scusa più banale per rimanere soli io e te

e poi gettare via i perché amarti come sei

la prima volta l'ultima.

Champagne per un dolce segreto

per noi un amore proibito

ormai resta solo un bicchiere

ed un ricordo da gettare via.

Lo so mi guardate lo so

mi sembra una pazzia

brindare solo senza compagnia

ma io, io devo festeggiare

la fine di un amore

cameriere, champagne....

 

Ouvindo em sua versão mais famosa, com Peppino di Capri.



 Escrito por O Dono do Quintal às 07h50
[]




O Lápis.

 "O menino olhava a avó escrevendo uma carta. A certa altura, perguntou:

 

- Você está escrevendo uma história que aconteceu conosco? E por acaso, é uma história sobre mim?

 

A avó parou a carta, sorriu, e comentou com o neto:

 

- Estou escrevendo sobre você, é verdade. Entretanto, mais importante do que as palavras, é o lápis que estou usando. Gostaria que você fosse como ele, quando crescesse.

 

O menino olhou para o lápis, intrigado, e não viu nada de especial.

 

- Mas ele é igual a todos os lápis que vi em minha vida!

 

- Tudo depende do modo como você olha as coisas. Há cinco qualidades nele que, se você conseguir mantê-las, será sempre uma pessoa em paz com o mundo.

 

"Primeira qualidade: você pode fazer grandes coisas, mas não deve esquecer nunca que existe uma Mão que guia seus passos. Esta mão nós chamamos de Deus, e Ele deve sempre conduzi-lo em direção à Sua vontade".

 

"Segunda qualidade: de vez em quando eu preciso parar o que estou escrevendo, e usar o apontador. Isso faz com que o lápis sofra um pouco, mas no final, ele está mais afiado. Portanto, saiba suportar algumas dores, porque elas o farão ser uma pessoa melhor."

 

"Terceira qualidade: o lápis sempre permite que usemos uma borracha para apagar aquilo que estava errado. Entenda que corrigir uma coisa que fizemos não é necessariamente algo mau, mas algo importante para nos manter no caminho da justiça".

 

"Quarta qualidade: o que realmente importa no lápis não é a madeira ou sua forma exterior, mas o grafite que está dentro. Portanto, sempre cuide daquilo que acontece dentro de você."

 

"Finalmente, a quinta qualidade do lápis: ele sempre deixa uma marca. Da mesma maneira, saiba que tudo que você fizer na vida, irá deixar traços, e procure ser consciente de cada ação."

 



 Escrito por O Dono do Quintal às 17h43
[]




Viver, não dói...

  Eu ia encerrar a semana com o post abaixo - O lamento de um caipira - que por sinal é bem engraçado, para quem ainda não viu vale a pena dar uma espiada, mas, mediante algumas coisas que aconteceram durante o dia de hoje, entendo que as palavras que se seguem se encaixam melhor na minha realidade atual, aliás, as primeiras estão destacadas não por acaso, são elas que estão traduzindo exatamente o que vivencio hoje e serão elas que hão de despertar-me. Ou despertar-nos.

 

  Viver não dói. (Carlos Drummond de Andrade).

 

  Definitivo, como tudo o que é simples.

  Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.

  Por que sofremos tanto por amor?

  O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez companhia por um tempo razoável, um tempo feliz.

  Sofremos por quê?

  Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter tido junto e não tivemos, por todos os shows e livros e silêncios que gostaríamos de ter compartilhado, e não compartilhamos. Por todos os beijos cancelados, pela eternidade.

 

   Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um amigo, para nadar, para namorar.

   Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas angústias se ela estivesse interessada em nos compreender.

   Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada. Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro

está sendo confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam, todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.

   Como aliviar a dor do que não foi vivido?

   A resposta é simples como um verso: Se iludindo menos e vivendo mais!!!

   A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos também a felicidade.

 

   A dor é inevitável.

 

   O sofrimento é opcional.



 Escrito por Andre C Carvalho às 18h17
[]




O lamento de um caipira.

Vô contá como é triste, vê a veíce chegá,

vê os cabêlo caíno, vê as vista encurtá.

Vê as perna trumbicano, com priguiça de andá.

Vê "aquilo" esmoreceno, sem força prá levantá.

 

As carne vão sumino, vai parecêno as vêia.

As vista diminuíno e cresceno a sombrancêia.

As oiça vão encurtano, vão aumentano as orêia.

Os ôvo dipindurano e diminuíno a pêia.

 

A veíce é uma doença que dá em todo cristão:

dói os braço, dói as perna, dói os dedo, dói a mão.

Dói o figo e a barriga, dói o rim, dói o pulmão.

Dói o fim do espinhaço, dói a corda do cunhão.

 

Quando a gente fica véio, tudo no mundo acontece:

vai passano pelas rua e as menina se oferece.

A gente óia tudo, benza Deus e agradece,

correno ligeiro prá casa, procurano o INSS.

 

No tempo que eu era moço, o sol prá mim briava

Eu tinha mil namorada, tudo de bão me sobrava.

As menina mais bonita, da cidade eu bolinava.

Eu fazia todo dia, chega o bichim desbotava.

 

Mas tudo isso passô, faz tempo ficô prá tráis

as coisa que eu fazia, hoje num sô capaiz.

O tempo me robô tudo, de uma maneira sagaiz.

Prá falá mesmo a verdade, nem trepá eu trepo mais.

 

Quando chega os setenta, tudo no mundo embaraça.

Pega a muié, vai pra cama, aparpa, beija e abraça,

porém só faz duas coisa: solta peido e acha graça .

 

Nada pessoal aos meu amiguim mineiro sô, é só para alegrar um pouquinho o finde (bem que estou precisando mesmo)...

 



 Escrito por O Dono do Quintal às 07h08
[]




Deus não castiga.

(Peço aos amigos que, se quiserem comentar, o façam no último dos três posts que contam essa história).

 

-Amor, acorda, o bebê está chorando.

 -E daí?

 -Ele deve estar com fome, prepara a mamadeira pra ele.

-Querida, estou muito cansado...

-Mas já levantei quatro vezes esta noite, faz esse favor pra mim.

-Deixe ele chorar!

-Não é assim que se deve tratar o seu único filho!

-Tá bom, eu vou, mas se ele voltar a chorar, você quem irá.

 

  O marido levantou meio atordoado pelo sono

 

- Esse bebê está me dando mais trabalho do que eu esperava! Se soubesse, teria caído fora a tempo - pensava ele enquanto esquentava a mamadeira do bebê.

 

    No momento em que ele chegou ao berço o bebê já havia parado de chorar.

 

 - Agora que esquentei a porcaria da mamadeira, o filho da mãe dorme! Não mereço esse castigo.

 -Acorda pirralhinho! Agora que eu esquentei,você vai ter de tomar até a última gota! – e balançava a criança com a mão, ela não se mexia.

- Acordaaa! Você me acordou, agora eu que estou te acordando!

- ele então reparou que a cabeça da criança estava azulada. Seu desespero foi imediato, pegou a criança no colo e correu para o seu quarto.

 

Querida! Pelo amor de Deus, acorde! Ele não se mexe! Me ajude!

  Ela pulou da cama em desespero e em um segundo já estava com a criança em  suas mãos, estava morta.



 Escrito por Andre C Carvalho às 15h41
[]




- Ele morreu! Olha o que você fez com meu bebê!

 - Não foi culpa minha, eu cheguei no berço e ele estava assim! - as lágrimas jorravam de seu rosto

 - Pelo amor de Deus, diga que não está acontecendo.

- Deus! Por que você me castiga deste jeito!

 

   E então se lembrou de tudo que pensou enquanto preparava a mamadeira. E refletiu sobre todos os quatro meses que passara junto ao bebê, nunca fora um bom Pai, enquanto sua mulher se dedicava com todas as suas forças ele o ignorava, e ignorava também a mulher quando cobrava dele "Pegue-o no colo, só um pouquinho", " -Veja amor, ele está sorrindo", "-Ele tem cócegas nas bochechas. Amor, você não está olhando.", "- Não chama ele de pirralho, ele é seu filho.". Sentia a culpa tomar conta de si, sentia-se desgraçado, ele era o culpado e não tinha dúvidas disso.

 

- Fui eu.- disse ele, havia amargura em seus olhos.

- Eu nunca mereci esta criança, nunca dei amor suficiente, nem pra você, e nem pra ela. – as lágrimas pareciam não ter fim. - Foi Deus quem me castigou! Ele era meu filho!    Meu filhinho! - e desabou novamente a chorar. A essa altura ele esperava por qualquer coisa da mulher. "Ainda que me matasse, estaria certa"- pensava. E não era de se espantar se ela o fizesse pois estava com o rosto fechado, seus olhos encharcados pareciam ter morrido junto com o bebê. Segurava a criança no colo e não dizia uma palavra.

 

   Então ela quebrou o silêncio, sua voz era rouca e melancólica:

 

 -Deus não castiga. Sei que você nunca deu atenção suficiente ao bebê, ele te adorava e você nunca ligou pra isso. Mas não te culpo por isso, e apesar de tudo sei que você o amava. - ela sorrira.

- Se não o amasse, não estaria em tantas lágrimas agora.

 

   Ele não entendia por que ela o consolava. "Ela devia me matar" - pensou - "Assumi que não presto e mesmo assim ela me consola" E então ele se lembrou de todas as  vezes que ela foi amável com ele, e não eram poucas pois em todo o mundo,  ele não conseguia pensar em alguém mais pura e gentil. -"Tinha tudo que poderia desejar e nunca dei valor." - Nessa hora seu choro dobrou de tamanho, não sabia mais se chorava por seu filho ou por sua esposa, mas entendeu que seu choro era de arrependimento. Tentou dizer algo pra esposa mas uma nuvem branca tomou conta de seus olhos e de repente tudo ficou negro.

 



 Escrito por Andre C Carvalho às 15h39
[]




-Amor, acorda, o bebê está chorando...- era voz de sua mulher. 

 

 Abriu os olhos, estava deitado em seu quarto.

 

-Amor, ele deve estar com fome esquenta a mam.... por que você está chorando?

-Nada, já estou indo. - de longe dava pra escutar a voz de seu filho chorando.

 

 Ele correu até o berço e lá estava seu filho, chorava muito. Ele o pegou nos  braços e beijou a criança. Ela cessou o choro, estava rindo - "-Ele tem cócegas nas  bochechas." - lembrou. Ele ficou brincando com a criança por um longo tempo até que sua mulher chegou.

 

-Você não voltou pra cama, fiquei preocupada.

 

 Alguma coisa errada com o  bebê?

 

-Veja amor, ele está sorrindo! - ele parecia uma criança com um  brinquedo que acabara de ganhar - Meu filho está sorrindo pra mim! A  mulher se comoveu, nunca havia visto seu marido daquele jeito. Ele fazia cócegas  na  bochecha do menino e depois o beijava, parecia outro homem. Ela o abraçou.

 

-Querido, há muito tempo eu venho pedindo a Deus que você passasse a gostar  mais dessa criança. Fico grata por Ele ter me atendido.

 

-"Deus não castiga". - lembrou ele em voz alta.

-O que você disse?

-Nada querida. Eu te amo!

-Também te amo.

 

  Talvez pelo fato de eu ter dois filhos a quem dedico minha vida, essa mensagem me tenha sido tão forte e profunda. Espero que tenham gostado.

 



 Escrito por Andre C Carvalho às 15h39
[]




Sorri

Mensagem especial enviada para mim pela amiga Marli. Muito obrigado minha amiga, amo essa música como quase tudo gravado pelo Djavan. Compartilho minha emoção com todos os meus amigos. Um bom feriado para todos cheio de alegria e com muita paz!!

 

Sorri – Original: (Smile), Charles Chaplin – Versão: João de Barro (Braguinha).

 

Sorri
Quando a dor te torturar
E a saudade atormentar
Os teus dias tristonhos, vazios 

Sorri 
Quanto tudo terminar 
Quando nada mais restar 
Do teu sonho encantador

Sorri 
Quando o sol perder a luz 
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados, doridos

Sorri 
Vai mentindo a tua dor 
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor 
Que és feliz

Sorri 
Quando o sol perder a luz 
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados, doridos

Sorri 
Vai mentindo a tua dor 
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor
Que és feliz



 Escrito por O Dono do Quintal às 07h32
[]




Quintal à quatro mãos, dois corações...

   E uma só alma divida em dois corpos. Melhor síntese de nós dois, impossível. Finalmente minha branquinha deu o ar de sua graça e postou no meu Quintal. O convite havia sido feito há muito tempo, mas só agora ela pôde abrir um espaço na sua vida para isso. O Quintal fica mais feliz e completo com a presença ativa dela ao meu lado, postando e demonstrando o quanto nós nos amamos e por que escrevemos de maneira tao semelhante: porque sentimos as mesmas coisas, porque estamos em constante sintonia 25 horas por dia, porque nossos pensamentos sempre são voltados para o bem do outro e, por isso é que eu afirmo, são quatro mãos, dois corações e só somos dois corpos porque almas gêmeas são na verdade uma só alma que foi dividida e não é fácil a trajetória que precisa ser percorrida para que elas se reencontrem. Muitas vezes algumas levam toda a sua existência para se encontrar e não conseguem. Não foi o nosso caso.

   Felizmente, ainda que tenhamos percorrido os caminhos difíceis que Deus colocou em nossas vidas para que pudéssemos evoluir e nos aprimorar, coisa que ainda acontece, já temos a certeza de que nos encontramos e teremos nossa opotunidade de sermos um só, e felizes para o resto de nossos dias.

 

   É isso. Minha parceira de posts dispensa apresentações para os amigos mais chegados do Quintal. Para os que estiverem chegando agora, esta é a minha amada, a outra metade que completa o meu Quintalzinho. Agora está completo. E segue minha branca vida...



 Escrito por O Dono do Quintal às 12h40
[]




De Mário Quintana...

A maior dor do vento é não ser colorido.

A amizade é um amor que nunca morre.

A mentira é uma verdade que se esqueceu de acontecer.

Nunca desprezes os teus amigos, por que se um dia eles te esquecerem, só teus inimigos se lembrarão de ti.

E um dia os homens descobrirão que esses discos voadores estavam apenas estudando a vidas dos insetos...

Maravilhas nunca faltaram ao mundo o que sempre falta é a capacidade de senti-las e de admirá-las.

A preguiça é a mãe do progresso. Se o homem não tivesse preguiça de caminhar, não teria inventado a roda.

O sorriso enriquece os recebedores sem empobrecer os doadores.

Quem não compreende um olhar tampouco compreenderá uma longa explicação.

Não te irrites, por mais que te fizerem... Estuda, a frio, o coração alheio. Farás, assim, do mal que eles te querem, Teu mais amável e sutil recreio...

Se as coisas são inatingíveis... ora! Não é motivo para não querê-las...

Que tristes os caminhos, se não fora a presença distante das estrelas!

Livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas.

Não desças os degraus do sonho para não despertar os monstros. Não subas aos sótãos - onde os deuses, por trás das suas máscaras, ocultam o próprio enigma. Não desças, não subas, fica. O mistério está é na tua vida! É um sonho louco este nosso mundo...



 Escrito por Branquinha às 23h46
[]




Ceder para Conquistar.

 

   "Seja flexível para conquistar" é uma regra de ouro. Pode ser difícil praticá-la, mas devemos treinar a nossa índole e educar a nossa mente nesse sentido. Em alguns casos, é preferível aparentar ignorância ou mesmo perder uma discussão. Qualquer possível humilhação ficará gravada apenas na mente e por um período temporário. Com o passar do tempo a outra pessoa pode começar a compreender a verdadeira situação e mudar de atitude. Pode pensar: "Eis uma pessoa sincera", começar a acreditar em você e até mesmo a admirá-lo. Tendo aparentemente vencido uma discussão, o seu adversário se torna inseguro por não fazer idéia do que você tem em mente. Assim, o derrotado se torna vencedor e é por isso que, às vezes, é preferível deixar que os outros persistam em suas idéias.

   Tentar impor as nossas opiniões é uma psicologia inábil. Ainda que estejamos certos, não devemos desnecessariamente insistir em argumentos a nosso favor. Aprendendo a ceder em determinadas circunstâncias, acabaremos vencendo, porque nos antevemos ao que é justo e verdadeiro...

   ... Os grandes Generais sabem como e quando retirar-se de uma batalha. Permanecer correndo risco desnecessário é uma tática errônea e não constitui verdadeira coragem. O que importa é o resultado final.

 

 - Extraído do livro "Os Novos Tempos".



 Escrito por O Dono do Quintal às 07h10
[]


[ ver mensagens anteriores ]
 
 
 
 Ver mensagens anteriores



 Meu outro blog
 Meu Orkut